sábado, 16 de outubro de 2010

CAPÍTULO 16

Corri atrás de Adam, mas depois de um longo tempo á sua procura o perdi de vista, então subi as escadas que davam para os quartos pra ver se consiguia achar Nica e o Sam, pois eu não tinha a menor ideia pra onde eles haviam ido.

Já estava abrindo a quinta porta quando me deparo com uma cena horripilante atrás da mesma.

Adrian.

O do passado.

Ele estava acorrentado em uma cama, somente de cueca e, em cima dele, fazendo arranhões em todo eu corpo e cortando seu pulso, fazendo jorrar sangue pelo chão do quarto e pelo lençol branquinho da cama, estava Aurora.

Ela também lambia seu sangue e conforme as tragados de AB positivo, falava um tipo de encantamento, em alguma língua antiga que eu não conhecia.

Cada vez que terminava um frase e dava um grito estridente, uma das quatro direções centrais explodia com fogo.

Fiquei paralisada de medo, sentindo que havia falhado em minha missão, que não haveria mais chances para o principe e, quando a útima das direções explodiu, Aurora pegou aquele mesmo punhal que havia me ameaçado dias atrás e o enfiou com uma ferocidade no peito dele.

- Não - tentei gritar mas saiu um pouco mais alto que um sussurro.

Mas eles me ouviram e viraram para me olhar no mesmo instante. Ela com raiva por ter sido interrompida e Ele com um olhar vidrado, pouco à pouco se desfazendo deste mundo.

- Agata ? - falou com uma voz esganiçada.

Comecei a correr, corri como nunca havia corrido antes, estava quase chegando nas escadas para o salão quando ouve outra explosão e dessa vez todo o castelo ficou escuro, sem luz alguma.

Nessa hora fui empurrada por alguém contra a parede, seus dois braços em cada lado da minha cabeça.

Não havia como fugir, não sabia quem ele era, apesar de ter um perfume conhecido, estava usando uma mascara, então mesmo com minha visão noturna não consegui reconhecê-lo. Mas ao invés de matar como eu havia pensado, ele começou a me beijar. Com desejo, forte o suficiente para machucar meus lábios.

Precisava pensar, o que é meio dificil quando você está sendo beijada magnificamente por um estranho e com uma vontade imensa de retribuir o beijo, espera, eu já estava fazendo isso. As imagens do principe começaram a voltar em minha cabeça.

- Pare ! - empurrei-o para longe.

- O que foi ? Não está gostando, my dear? - perguntou meio sarcastico, tentando me agarrar de novo.

- Já disse pra me soltar - respondi com uma voz forte e dei um chute em su estomago.

Mais um vez eu estava correndo e dessa vez eu podia sentir alguém me seguindo, provavelmente o tarado beijador.

Quando entrei no salão,parei, não conseguia respirar, não podia acreditar no que estava vendo.

Não.

Não.

Não. Aquilo não podia estar acontecendo, mas era real, mas como? Como Ele pode fazer isso comigo?

- Por que você parou? Não quer mais brincar de pega-pega?

- Ah, me faz um favor vai. Cala a boca! E veja você mesmo.

Comecei a ficar com raiva, no do tarado - talvez não ao todo - mas Dele. Como ele pôde fazer isso comigo? Pergnto a mim mesma novamente. Pensar que a pouco tempo eu estava me martirizando por sua morte... Peraí, ele não havia morrido? Como? Eu não sei que merda está acontecendo, mas depois disso eu mesma me certificarei de matá-lo.

Acho que, quando tenho uma emoção muito forte, além de meus lhos mudarem minhas asas também aparecem e foi exatamente isso que aconteceu.

- Acendam as luzes! - não reconheci minha voz quando ela saiu da minha boca, estava poderosa, dura e para dar mais impacto, bati minhas asas somente uma única vez.

Com essa lufada de ar, as velas, uma por uma foram se acendendo, rapidamente o salão estava todo iluminado novamente. Podendo dar ao tarado que eu parecia conhecer de algum lugar a visão dos acontecimentos.

- O que...O que é você? - falou primeiramente olhando pra mim, depois quando seu olhar caiu para o centro do salão e viu o que estava acontecendo ficou pálido, quase translúcido. Lágrimas começaram a cair de seus olhos.

- Começou outra vez. Agora me diga Agata, o que você irá fazer quanto a isso?

terça-feira, 12 de outubro de 2010

CAPÍTULO 15

Enfim, o dia mais esperado finalmente chegou.

Faltava só algumas horas para o inicio do baile, mas eu já havia recebido uma carta pelo mensageiro real do principe, dizendo que ele iria enviar uma carruagem para nós. Uma coisa muito útil já que estava começando a pensar em como iriamos até o castelo, que ficava lá nos quintos, a pé.

Eu e Nica estavamos impecaveis, seu vestido era verde pálido e branco, o cabelo estava preso num pentiado parecido com o da Maria Antonieta (+/- nesse estilo http://vi.sualize.us/view/bed758d9fe569738a1b57b20ef14fe84/ ). Já eu, estava em um vestido vermelho e preto, o espartilho com detalhes dourados,a saia tinha várias camadas e as mangas eram leves como uma pluma. Meu cabelo não tinha ajudado na hora em que tinhamos tentado fazer o mesmo pentiado, portanto, no fim das contas, eu mesma fiz um coque no alto da cabeça e deixei alguns fios caírem ao redor do meu rosto, ficou bem elegante.

A roupa dos garotos era uma coisa a parte, mas vou lhes dizer que estavam muito gost... digo, lindos.

A carruagem chegou e demorou menos do que eu esperava para chegarmos. Adam desceu primeiro e foi todo cavalheiresco me ajudando a sair.

Ao entrar no castelo, não pude deixar de notar que era magnifico, eu sei que já havia estado aqui antes, mas foi a luz do dia, agora que já era noite, ele estava iluminado somente por velas,dando um ar romantico. Fomos guiados até o salão, onde colocamos nossas mascaras.

- Acho que seria bom a gente se separar, sabe, pra averiguar o lugar.

- Claro Sam e vai fazer dupla com a Nica se não estou errado?

- É, se não tiver nenhum problema...

- Vão logo se divertir enquanto eu e essa coisa resmungona aqui, vamos observar de mais perto o baile.

Ficamos um tempo parados em um canto do salão, quietos só observando, não falando uma palavra sequer sobre o que tinha acontecido dias atrás conosco, nem uma palavrinha...Aquilo
já estava começando a me irritar.

- Quer alguma coisa para beber?

- Claro - respondi com minha melhor voz.

O tempo foi passando e nada do Adam voltar, onde será que ele se meteu?

Estava procurando por ele quando, de repente, senti uma mão segurar meu pulso e me puxar para si. Olhei para seu rosto coberto pela metade por uma mascara, mas isso não escondia o principal, seus olhos, vermelhos como sangue.

Adrian.

- Procurando por alguém, querida?

Meus olhos se alargaram.

- O que você fez com ele?

- Nada. Por enquanto, pelo menos - falando isso apontou para a entrada do salão, onde Adam estava sendo segurado pelas minhas três bruxinhas menos favoritas do mundo.

- O que você quer?

- Uma coisa bem simples, somente uma dança com a senhorita Lunack.

- Por quê?

- Por quê sempre tem que ter um por quê? Eu só lhe pedi uma simples dança.

- Mas qual o motivo por trás desse pedido?

- Mais tarde você irá entender. Então, vai aceitar meu pedido, ou quer que eu peça para Katrina torturar seu jovem amigo?

- Ok.

- Ok o quê?

- Eu vou com você.

- Sábia escolha. Mas não vamos a lugar nenhum. Acho esse um ótimo lugar para termos nossa primeira valsa.

Bendita hora em que Adam e eu escolhemos um lugar nas sombras para ficarmos observando, agora ele podia me matar bem ali que ninguém que estivesse prestando muita atenção em nós veria.

- Tem um problema - eu estava tentando ganhar tempo, mas o que eu iria dizer não era mentira.

- O que foi agora?

- Não sei dançar esse tipo de dança.

- Não tem problema, nós podemos dançar a dança da sua época, eu gosto mais dela mesmo e ninguém está nos vendo além de nossos amiguinhos.

Ótimo, agora eu ia ter que dançar agarrada à ele.

Uma música estranhamente muito parecida com Infinity do The XX começou a ser tocada.

( Leiam esta parte ouvindo essa música, a partir do refrão é mais legal: http://www.youtube.com/watch?v=tbdvHJ9DvaY )

Peguei em sua mão e comecei a dançar junto com ele o mais longe possível.

- Chegue mais perto e dance direito, eu não mordo - falou e me puxou com tudo contra seu corpo, foi chegando com a boca bem perto do meu ouvido e sussurrou - Só se você quiser.

- Vê se te encherga - tentei sair do seu aperto.

- Nã-nã-nã-nã-nã, se comporte ou seu amiguinho vai se dar mau.

Fechei os olhos e me dixei levar pela música, eu amava o ritmo dela, era gostosa de dançar, a batida era calma e ao mesmo tempo sexy. Aos poucos fui esquecendo com quem eu realmente estava dançando, me esqueci de tudo, só restava a música em minha mente.

Pus meus braços em volta do meu acompanhante,passando a unha pelos seus braços até chegar em seu pescoço. Ele também começou a fazer sua própria exploração, passando suas mãos por minhas costas, contornando com os dedos a minha pele, para chegar em meu cabelo. Começou a puxar meu rosto para o seu.

Não. Eu não posso fazer isso.

Abro os olhos rapidamente e me deparo com um par de olhos vermelhos muito perto do meu rosto.

- Me larga!O que você pensa que está fazendo ?!?!

Olho para o outro lado e vejo a amargura em outro par de olhos, dessa vez nos de Adam.

Percebendo que a merda já tinha sido feita, as bruxas soltaram - no, só pra ele sair em disparada pelos corredores do enorme castelo.

Voltei - me para Adrian, que estava quieto só me observando, dei um tapa em sua linda face.

- Nunca mais tente fazer isso de novo entendeu? Nunca!

Dizendo isto sai a procura de Adam.


Não sei se foi minha atitude ou minha extrema falta de atenção que causou o que vem a seguir, com essas coisas nunca se sabem. Mas, se eu tivesse olhado para o topo das escadas, teria visto uma mulher de túnica vermelha conversando com o princípe, levando-o para longe da festa, como em meu sonho.

domingo, 3 de outubro de 2010

AVISO

Como o Capítulo 14 estava separado pelo começo e o meio, eu aproveitei que já fiz o fim do Cap. e coloquei tudo em uma postagem só, pra ficar melhor.

Então o último pedaço do cap. que eu fiz hoje começa pela frase "- Primeiro de tudo, eu não devo explicações pra ninguém e segundo, me dá este bilhete, porque até agora eu sabia da existência dele tanto quanto você."

Se alguém achar muito difícil achar essa parte na postagem é só falar que daí eu posto o final separado, tudo bem?


xoxo L.