sexta-feira, 9 de julho de 2010

CAPÍTULO 8

Acordei com o Sol em minha cara, todos os outros ainda estavam dormindo, ótimo vou ter o banheiro só pra mim. Quando comecei a levantar vi que havia um bilhete em minhas mãos, abri.

"Foi dada esta vestimenta para ti, pois sua missão aqui é se passar por uma cortesã,ir até aquele que deseja conhecer, seduzi-lo para que possa saber mais sobre tua história,usando isso contra ele mesmo se assim desejar.
- xoxo O motorista do ônibus"

A primeira coisa que pensei depois de ler isso foi "Cara, você anda vendo muito Gossip Girl".
Depois que a ficha caiu e comecei a raciocinar, pensei no que eles queriam que eu fizesse, fiquei bem irritada no começo, mais até que a ideia não era assim tão ruim, exceto a parte de fingir ser uma cortesã, óbvio.

Levantei e fui tomar banho, nem pergunte como fiz isso porque a resposta me deixa enjoada, e coloquei a mesma roupa de ontem.

Após todos já estarmos arrumados e termos comido, saímos para a cidade ver se conseguíamos alguma coisa. Também esqueci de dizer que não falei nada do bilhete para os outros, os garotos nunca me deixariam continuar com aquilo.

Porém, quando estávamos deixando a pensão, pedi que fossem na frente, porque queria falar com aquela atendente, não sei como se chamava naquela época.

- Só não se mete em problemas, ok? - Adam disse já indo embora.

- Tá bom, papai!

Fui até onde a senhora estava.

- Oi.

- Oi, então ontem a noite foi boa?

Aquela velha já estava me irritando, mais ao invés de lhe responder o que deveria ouvir, resolvi entrar no jogo.

- Melhor do que esperava, se é que me entende - dei um sorriso malicioso.

- Ah, te entendo muito bem - Falou olhando meu corpo.

ECA
!!!!!!!!!!QUE NOJO!!!

- Olha estou tentando procurar alguém, não sei como se chama, mas sei dizer como se parece, a
senhora poderia me ajudar a achá-lo.

- Se eu souber de quem você está falando...Como ele se parece?

- É alto, cabelo preto, olhos verdes, quando o vi estava cm um traje bem refinado, bem bonito ao
ver - o descrevi a partir do meu sonho.

- Deixa eu me lembrar... Já sei, você só pode estar falando de uma pessoa, o príncipe Adrian Van
Halen
, ele mora naquele castelo perto da vila. Mas acho que você não vai ter muito sucesso,
fiquei sabendo que ele é um bom rapaz e não se deixa cair em qualquer rabo de saia.

- Vamos ver se não mesmo - afinal ninguém é de ferro.

Saí de lá e logo alcancei meus amigos, lhes contando minha descoberta, mas não como agi para descobrir tal coisa.

- Como foi que descobriu? - Adam perguntou intrigado.

- Não foi nada demais, eu só o descrevi e perguntei quem seria.

- E como você sabe a sua aparência?Ele sempre está de capa preta, não dando pra ver seu rosto.

- Quando ele quase me pegou em casa eu consegui ver seu rosto, - não era mentira - porque todo esse interrogatório agora? Ciúmes por acaso?

- Claro que não... - sua resposta veio rápido demais - É que me preocupo com você.

- Ai que , mas pode ficar despreocupado que eu já sei me cuidar muito bem - falei apertando sua bochecha.

Conforme íamos andando sem rumo,percebi que todos nos encaravam, será que era porque
éramos
novos ali, ou nossa aparência era bonita demais para eles... - uma pausa - Já entendi, corrigindo, eles não estavam olhando para nós e sim pra mim. Os homens com olhares maliciosos, e as mulheres com uma arrogância nada discreta. Bem problema delas, só que eu não queria acabar com a imagem de meus amigos logo de cara.

-Tudo bem, que tal a gente se separar, porque pelo que eu estou notando, não sou muito querida aqui.

- Sim - Nica diz na mesma hora - Eu vou com você, aí a gente pode se encontrar em uma hora e meia em frente da pensão, tudo bem?

Antes deles poderem responder ele me puxou pra longe, para uma parte bonita da vila.

Depois de um tempo em silêncio eu falo:

- O que você quer falar?

- Nada não...

- Aí tem coisa, porque pra você me puxa daquele jeito pra longe dos meninos...

- Sabe...isso pode ser bastante chocante pra você, mas o Adam está caídasso por tu.

Ótimo
, minha amiga estava ficando maluca.

- Claro que não, ele e eu somos como irmãos com algumas provocações a mais, nada demais -
bem que eu queria, tirando o assunto pra longe de mim - Mais eu vejo como você e Sam trocando olhares e, eu posso garantir que não são nada fraternais.

Ela ficou vermelha que nem uma maça.

- Sério que ele está me olhando desse jeito? Claro que não, ele não gosta de mim desse jeito, e você devia se sentir envergonhada por me botar esperanças. Mas até que teve um dia em que estávamos a sós e eu acho que rolou um clima...

A conversa continuou sobre se ele gostava ou não dela. Quando acabou ela perguntou uma coisa pra mim que assustou.

- Você está gostando desse tal "Adrian Van Halen"? É por isso que você não enxerga o que Adam sente por você, ?

- Não, nunca, de tão caída que você está pelo Sam acha que todos estão apaixonados.

- Resmungona! Teve outra desculpa que também não colou. Como você sabia a aparência do até então garoto misterioso? E nem vem me dá aquela desculpa ou qualquer outra porque eu te conheço, sou sua melhor amiga e também não sou burra igual aos garotos. Desembucha.

- Tipo... Sabe aquele cara que eu andava sonhando e só contava pra você? - fazer o que, ela é mesmo minha melhor amiga...

- Sei o denominado "príncipe sombrio".

- Bem...ha ha... Era ele...

- Não a-cre-di-to!Você até já sonhou com ele, que romântico! - começou a bater palmas e a dar pulinhos de alegria.

- Cala a boca, e vê se não conta pra ninguém, aliás já deve estar na hora de voltarmos.

Chegando ao local de encontro, os garotos já estavam nos esperando, percebi que o Sol já estava se pondo e começava a ficar escuro.

Justamente quando chegamos até eles, que estavam bem irritados com nosso atraso, uma multidão passou diante de nós, me fazendo perder o equilíbrio que eu não tinha,e ser levada pro meio da muvuca.

Ouvi meu nome ser gritado, só que não conseguia sair daquele meio, tinha muita gente.

Já estava muito longe de meus amigo, estava em uma rua deserta, um grupo de homens me puxou pra fora da multidão. Percebi também que era uma rua sem saída e eles infelizmente estavam bloqueando minha única chance de escapar.

Começaram a vir até mim, suas caras não estavam nada amigas e sorriam uns para os outros, então já apaguei da minha memória eles serem garotos bonzinhos que me tiraram de lá por minha cara estar representando que eu ia morrer de asfixia em pouco tempo. Definitivamente não.

Começaram a se aproximar e formar um circulo em volta de mim. Minha respiração e meu batimento cardíaco aumentaram, não duvido nada que eles escutaram. Começaram a se aproximar ainda mais, minhas chances de fuga eram zero. Nunca fui muito boa em educação física, sendo assim nem sei lutar, mas sei usar bem as unhas. Quando eles estavam a poucos sentimetros de mim e o da minha frente esticou a mão para tentar me tocar, peguei seu braço e cravei minhas unhas nele. Ele gritou de dor.

- Ahhhh! Sua vadia! Você vai se arrepender! Podem começar pessoal e a machuquem muito, pra ver o que merece.

Nesse ponto parecia que minha respiração estava na velocidade de um avião e meu coração o motor do mesmo.

Eles começaram a me tocar, rasgando parte da minha, maravilhosa, roupa e, basta informar aqui que Eu Sou Virgem.

- Socorro! Alguém me ajude!

- Ah, cala a boca!

- SOCORRO... - choraminguei.

De repente senti uma presença no lugar, comecei a sentir alguma esperança. Eles também devem ter sentido pra pararem o que estavam fazendo e se virarem pra ver quem era. Minha esperança se foi quando olhei pra trás, se não morresse aqui seria naquelas mãos. Mas em todos os casos, preferia ser nas mãos de Adrian, pois ele poderia me poupar da dor e do estupro.

Quando ele olhou pra mim, me senti suja.

Nenhum comentário:

Postar um comentário