quarta-feira, 12 de maio de 2010

Capítulo 1

Último dia de aula, finalmente, já estava ficando mais louca do que o normal por este evento tão especial. Por pelo menos uma vez em toda minha estada aqui, consegui ser feliz, ir de aula em aula sem reclamar pelo tanto de trabalho e ficar totalmente calma enquanto minha colega de quarto e melhor amiga começa a ficar pulando em cima da cama, fazendo assim tanto barulho, não me deixando dormir. Tudo bem, a parte de estar calma é realmente uma péssima mentira.
Neste final de ano, alugamos uma casa no centro da cidade ao lado que tem um nome esquisito, e iremos passar o natal, ano novo e todas estas festividades que acontecem por lá. Pelo menos nesse ano, ao que parece, vai ser divertido, porque ano passado... Foi uma completa merda, deixamos todo o planejamento por conta dos garotos, fomos parar em um ônibus aos pedaços que quebrou no meio do caminho, em uma cidade deserta. Posso afirmar que foi umas das melhores e piores férias da minha vida, mas nem por isso estou com vontade de repetir a trajetória.
 - Você está me ouvindo? Pelo menos está animada com nossas férias? - Monique me pergunta.
 - Claro, só estou pensando nas férias do ano passado. Será que nesse ano vai ser melhor? Pelo menos deixamos a responsabilidade de alugar a casa para o pai do Vini e não pra ele, mas tenho uma péssima intuição sobre isto.
 - Relaxa, você está muito paranoica pro meu gosto. Respire fundo e pense em todas as lojas de roupas, bijuterias, CDs e livrarias que iremos, e assim terminaremos esta noite rezando para que o cartão de crédito de nossas mães sejam ilimitados...
 - Sua boba!
 - Espera – ela ergueu o dedo indicador – ainda não acabei, continuando, que nessas férias os garotos de repente nos notem e percebam quais são nossas verdadeiras intenções.
 - Isso só conta pra você, não estou gostando do Vini.
 - Seiii... Mas, com aquela casa só pra gente, sei lá, tudo pode acontecer, não é?
 - Sua perva!
Nick começou a gargalhar e a jogar travesseiros em minha cara.
 - Olha que fala! A santidade em pessoa!!
 - Então é assim?
Me juntei a ela e tacamos travesseiros uma na outra, observando que cada vez que o travesseiro acertava alguém nós duas gritávamos. Nossa festinha acabou alguns minutos depois quando a inspetora com cara de São Bernardo nos mandou calar a boca e dormir.
Decidimos que isto seria uma boa ideia, já que teríamos que pegar um ônibus logo de manhãzinha e andar bastante.
Enfim paz.
Era o que eu achava, doces esperanças.
Em meu sonho estava tudo muito escuro, as únicas luzes vinham de pequenas rachaduras no alto das paredes. Parecia um tipo de calabouço, correntes presas aos meus pulsos tilintaram quando tentei me mexer. Um par de olhos amarelos brilhantes me encara do outro lado da cela.
 - É isso o que te espera se continuar a mexer com fogo Ágata, se prepare para as consequências antes que seja tarde demais – a voz era rouca, grossa, masculina.
A cena muda e de repente estou escondida atrás de uma pedra, em algum tipo de gruta, era maravilhosa, mas na minha frente havia um tipo de altar que prendeu minha atenção, sobre ele estava um livro grosso de capa dura, aquele tipo de livro que você só encontra em filmes medievais. Alguém parece estar chegando, me encolho ainda mais em meu esconderijo improvisado, tentando não ser vista e não acabar morta em meu próprio sonho. A figura se aproxima e consigo reconhecê-la. O mesmo homem que já vem assombrando meus sonhos há um ano, aquele por quem tenho estado um pouco fixada ultimamente. Olha diretamente em minha direção, mesmo sem eu nem ter feito barulho algum.
 - Quem é você?
Sinto alguma coisa vibrar e volto à realidade da minha cama, abrindo os olhos para uma exausta e calorosa manhã.

Um comentário:

  1. Ai ai...
    muito curiosa!!! e quem é esse guri de olhos verdes???

    Já vou ler o outro capítulo.


    http://sussurroaovento.blogspot.com/

    ResponderExcluir